8 de julho de 2016

Calafrio (Os Lobos de Mercy Falls) | Resenha

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

Além da fantasia interessante, quando li algo da Maggie pela primeira vez, em A Corrida de Escorpião, duas coisas me encantaram de cara e me pareceram simplesmente certas: a linguagem e o romance. Vocês já gostaram tanto de uma história que desejaram vocês mesmos a terem escrito? Foi um pouco do que senti e vocês podem conferir minha opinião aqui antes de continuar.

Eu acho que é consenso entre todos os leitores, mas eu adoro ler uma história e sentir o cuidado do autor. E quando digo isso, não estou me referindo a erros gramaticais, mas à escolha de palavras, sua forma de se expressar e de desenvolver as ideias. Sei que esse é um fator muito subjetivo, porque cada um tem sua forma de escrever e às vezes a gente se envolve tanto no que está lendo que nem a percebe, sem falar que o que me agrada pode ser diferente do que te agrada, mas a Maggie me chama atenção nesse sentido. 

Independente de a situação na história ser triste ou monótona, os capítulos são prazerosos, inteligentes e até poéticos, de uma forma bem jovem. Acho que qualquer um que ler algo dela vai me entender um pouco.

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

Em relação a Calafrio especificamente, mais uma vez senti verdade na sutileza do romance. Sinto que as coisas estão como devem ser nos romances da Maggie. Aqui, assim como em A Corrida de Escorpião, os personagens simplesmente compartilham algo e isso está tão claro que nem é o foco da narração. Sem jogos para conquistar o interesse um do outro, a fantasia e todas as outras temáticas da história ganham espaço para se desenvolver. 

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

Grace é uma garota que passou por maus momentos na infância quando foi atacada por alguns dos lobos que viviam no bosque perto de sua casa. Eles a levaram para longe, mas quando sua vida estava prestes a ser tirada de vez, um outro lobo, de olhos amarelos, impediu a tragédia. 

A partir daí, seus olhos nunca mais foram esquecidos por Grace, que começou a ansiar pelo momento em que eles apareceriam outra vez. Quando estava especialmente frio, o lobo a observava de longe, assim como ela, e cerca de seis anos se passaram assim, sem muito alarde. A história dá uma reviravolta quando Jack, um estudante da mesma escola de Grace, não só é atacado pelos lobos, como é (supostamente) morto por eles. 

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

Isso gera uma revolta em Mercy Falls contra os lobos até então considerados inofensivos e, liderados pela família de Jack, um grupo de policiais e locais saem para caçar os animais no bosque.

Essa expedição toda não poderia acabar bem, mas foi por causa dela que Grace teve o primeiro contato com seu lobo, que na verdade é um garoto chamado Sam.

Ele acaba aparecendo ferido em sua porta e a história se desenvolve aos poucos, com Sam entrando na vida de Grace e ela na dele, mas ambos conscientes de que, a qualquer momento, Sam poderia voltar à sua forma de lobo. 

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

Eu realmente gostei de acompanhar o casal. Ele é mais romântico e sensível, enquanto ela é mais durona, mas nenhum tem uma personalidade extremista e os dois acabam funcionando muito bem juntos, numa espécie de equilíbrio.

Outra grande diferença entre os dois que acaba sendo interessante é o fato de Grace desejar ter se tornado uma loba na época em que foi atacada e agora Sam desejar voltar a ser exclusivamente humano.

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater

O livro passa por temáticas relevantes, como a família, seja através da negligência dos pais de Grace ou da intolerância dos de Sam, mas também mostrando o acolhimento que o garoto teve na alcateia.

Senti falta de mais respostas quanto à mitologia, trechos explicando como ela funciona exatamente, mas sei que isso aconteceu porque os personagens ainda não chegaram a essas questões e estão tão no escuro quanto nós. Acho que vou precisar ler os próximos livros para descobrir mais!

Ainda assim, gostei bastante do final de Calafrio. A Maggie conseguiu me deixar satisfeita com o livro de modo que eu poderia parar a série agora e não sair frustrada. Vocês não amam quando isso acontece? Eu sei que eu amo. 

Mas ela é absolutamente boa demais para ser deixada de lado. 

  CALAFRIO, Maggie Stiefvater
"Ela desejava se transformar, eu esperava me transformar, e nós dois queríamos o que não  podíamos ter."



Escrito por: Lisete Reis


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Nos conta sua opinião. ♡ Assim que podemos, publicamos e respondemos todos os comentários.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

https://twitter.com/maccieirahttps://www.instagram.com/jennifermacieira/https://www.flickr.com/photos/113227884@N07/



https://www.instagram.com/lisete_reis/https://www.flickr.com/photos/153046504@N02/

Facebook

Instagram

Youtube

Parceria

Newsletter

Publicidade

Booking.com